TravelBI
Home / Turismo em Portugal / Turismo em Números | maio 2022

Publicação

julho 28, 2022
Maria Leonor Silva
Aeroportos de Portugal , Banco de Portugal , Instituto Nacional de Estatística , Turismo de Portugal

Turismo em Números | maio 2022

turismo em portugal

O setor do alojamento turístico registou 2,5 milhões de hóspedes e 6,5 milhões dormidas em maio de 2022, correspondendo a aumentos homólogos de 162,1% e 221,8%, respetivamente. Se procedermos à comparação com o mês de maio de 2019 verificam-se ligeiras diminuições na ordem dos 3,2% e 0,7%, respetivamente.

Este crescimento é, à semelhança de meses anteriores, em muito devido ao desempenho dos residentes com 1,8 milhões de dormidas (+11,6% vs maio/19). Os estrangeiros ainda registam uma quebra de 4,7% (vs maio/19) em linha com o registado no mês anterior (4,4% em abril/22 vs. abril/19).

Os proveitos totais atingiram 456,1 milhões de euros e os proveitos de aposento corresponderam a 338,4 milhões de euros, crescimentos de 264,3% e 275,1%, respetivamente (+11,8% e 11,9% vs maio/19).

Regista-se aumento nos preços (em parte, possivelmente, devido à subida da inflação). O rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) situou-se em 56,5 euros em maio e o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu 96,1 euros. Em relação a maio de 2019, quer o RevPAR quer o ADR aumentaram 9,0% e 9,4% respetivamente.

No conjunto dos primeiros 5 meses do ano, as dormidas aumentaram 355,2% (+128,5% nos residentes e +775,8% nos não residentes).

Estes valores continuam abaixo (-9%) dos níveis do mesmo período de 2019, como consequência da diminuição dos não residentes (-14,4%), tendo as dormidas de residentes aumentado 4,9%.

Maio: receitas 12,8% acima de 2019

As receitas turísticas cresceram, em maio de 2022, 223,1% a que corresponde a um acréscimo de 1,2 mil milhões de euros, em termos homólogos.

À semelhança de meses anteriores, as receitas de maio já se encontram a níveis superiores aos registados em período pré pandémico (+12,8%). De janeiro a maio, as receitas atingiram os 6,0 mil milhões de euros, um crescimento de 253,2% em comparação com o mesmo período de 2021 e 4% acima dos valores de 2019.

Destaque para os mercados da Irlanda (+28,7%), EUA (+26,7%), Países Baixos (+22,4%), Bélgica (+19,2%), Espanha (+15,9%) e Alemanha (+14,1%) que, no conjunto dos primeiros 5 meses do ano, cresceram a dois dígitos em relação aos valores de 2019.